Porto Seguro: Martha Gabriel assume consumismo em seminário de inovação tecnológica

Richard Alves, Cícero Sena, Luigi Rotuno, Alex, Beto Nascimento e Martha Gabriel.

Richard Alves, Cícero Sena, Luigi Rotuno, Alex, Beto Nascimento e Martha Gabriel: Painel após a palestra.

Anunciada como “uma das maiores pensadoras digitais do Brasil (…), ganhadora de 5 prêmios internacionais (…)”, Martha Gabriel proferiu palestra no Seminário de Inovação e Competitividade no Turismo, realizado no auditório do Senac, em Porto Seguro, no dia 17/09/2015.

O vice-prefeito, Beto Nascimento, aproveitou o evento para estimular todos empreendedores de Porto Seguro a cadastrarem gratuitamente seus empreendimentos no novo site da prefeitura, www.portosegurotur.com, que é compatível com dispositivos móveis.

Esbanjando experiências internacionais, e termos em inglês mesmo quando as palavras vinham em telas escritas em português, Martha revelou seu deslumbramento com a globalização e com o consumismo incentivado pela tecnologia da comunicação. Ela disse que compra tanto pela Internet que, por causa do atraso da entrega, que pode, segundo ela, chegar até a 2 meses; quase todos os dias, quando ela nem sabe mais o que comprou, chegam coisas à sua casa. Em seguida ela explicou que compra muito, mas também distribui muito.

A palestrante estimulou empreendedores a conhecer melhor as tendências e a investir mais em tecnologia de comunicação via Internet, citando aplicativos como o “Uber” para afirmar que não adianta lutar contra a tecnologia da comunicação.

Negando os custos sociais dos novos tempos, em uma das telas de sua palestra Martha mostra um gráfico alegando que a tecnologia gera o mesmo número de empregos que destrói.

Também na palestra Martha cita um pensador que disse ser as máquinas os elementos mais importantes para dar respostas e os seres humanos os elementos mais importantes para fazer as perguntas.
Pena que, apesar de ter sido realizado graças ao apoio de instituições que se dedicam a interesses coletivos (Senac, Convention Bureau, Sebrae e Prefeitura), no seminário não foi aberta uma sessão para perguntas do público:

1) Partindo da premissa de que a democratização dos meios de produção é uma inovação necessária diante do desemprego causado pela tecnologia, a prioridade não deve ser incentivar investimentos públicos em novas ideias de desempregados que poderiam voltar a ser felizes no mercado de trabalho, fortalecendo o mercado consumidor e consequentemente toda a economia?

2) O que leva desenvolvedores de aplicativos da iniciativa privada a terem inteligência suficiente para criar novas funcionalidades em detrimento de coletivos que vinham funcionando, como é o caso do “Uber” com os táxis; e sensibilidade ou inteligência insuficiente para combater a desigualdade social que transforma o mundo em um barril de pólvora?

3) O que leva uma multidão qualificada de emigrantes da classe média de países pobres, a negar sua contribuição para a conscientização e para a melhoria da qualidade de vida em seus próprios países, e a sair em busca de melhores condições de vida nos países ricos que, por meio das tecnologias de comunicação, agravam a pobreza dos países pobres?

Cabrália: Conselho define compensações ambientais do Campo Bahia

Assis, João, Heráclito.

Heráclito, com os consultores ambientais João Carlos (Projex) e Mário J. Assis (Acquamarina).

O Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente de Cabrália se reuniu no último dia 29, na Secretaria Municipal do Meio Ambiente, para tratar da compensação ambiental acordada com a prefeitura para o licenciamento do Empreendimento Campo Bahia, onde ficou hospedada a Seleção Alemã de Futebol, tetracampeã do mundo na Copa Brasil 2014.

O empreendimento Campo Bahia, licenciado para ser um condomínio residencial, depois da Copa passou a ser anunciado como Campo Bahia “Resort”, que significa hotel para lazer com construções horizontais e amplos espaços livres.

Logo após a reunião do dia 29, Mário Jorge Assis, consultor da Acquamarina e da Coroa Alta Empreendimentos (proprietária do campo de futebol oficial construído em Santo André para treinamento da Seleção Alemã), disse que entre as contrapartidas do campo de futebol e do Campo Bahia, estão o emprego de 80% dos trabalhadores na construção dos dois empreendimentos, beneficiando 210 famílias; a doação de uma ambulância ao município, doação de 28 manilhas para drenagem do Rio Acuba, além de investimento no valor de R$ 100 mil em material e mão de obra para gramado, alambrado parcial, traves, drenagem e marcação em um campo de futebol público em Santo André, em área da prefeitura; e o depósito de R$ 300 mil em uma conta jurídica do Ministério Público, para elaboração de um projeto piloto de beneficiamento do lixo do litoral norte de Cabrália, incluindo Santo André, Santo Antônio e Guaiú.

Assis exibiu comprovantes bancários de que o valor de R$ 300 mil foi depositado em 5 parcelas de R$ 60 mil, ficando a prefeitura, por meio da Secretaria do Meio Ambiente, encarregada de publicar um edital de concorrência nacional para contratação de uma empresa que desenvolva o projeto do lixo.

Na opinião de Assis, o edital deve definir as fases de diagnóstico, do projeto propriamente dito, e do treinamento da mão de obra necessária a todo o processo de coleta e beneficiamento do lixo, considerando as altas e baixas estações turísticas.

Membros do Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente, como Cláudio Xepa (Superintendente Municipal da Pesca) e Nelson Monteiro (presidente do Grupo de Ação para o Desenvolvimento da Atividade de Pesca – GADAP), são da opinião de que a comunidade deve se apoderar do processo, para que uma empresa de fora não venha a definir arbitrariamente como deve ser o tratamento do lixo.

Apesar de solicitada desde o dia da reunião, a Secretaria do Meio Ambiente ainda não informou a data da publicação do edital e nem respondeu a questões sobre o término da obra e a prestação de contas dos R$ 100 mil supostamente empregados no campo de futebol. As questões envolvem a destinação de eventual sobra de dinheiro na hipótese de a concorrência por edital obter o diagnóstico, o projeto e o treinamento por valor inferior a R$ 300 mil; e se o empreendimento Campo Bahia Resort, bem como sua escuna Dream Catcher, já estão licenciados para operação como empreendimentos turísticos.

Capa de guia com Campo Bahia

Publicação original no portal oficial de Santa Cruz Cabrália em 17/11/2014:

Cabrália: Conselho define compensações ambientais do Campo Bahia

Copa beneficia direta ou indiretamente toda a população de Cabrália

 

Imagem

 

A comissão formada em 2010 por agentes públicos e privados de Cabrália e de Porto Seguro, para tratar de assuntos relacionados à Copa do Mundo FIFA Brasil 2014, se reuniu na última sexta-feira (23/05/14), no auditório do Senac, onde vinha se reunindo semanalmente.

Concluindo a primeira grande fase de suas atividades, a comissão apresentou o resultado de seus 8 grupos de trabalho, tendo como principais vitórias o credenciamento de Cabrália e de Porto Seguro como Centro de Treinamento de Seleções (CTS) pela FIFA, a escolha de Cabrália como sede pela Seleção da Alemanha e a escolha de Porto Seguro como sede pela Seleção Suíça.

 

A mesa de abertura do evento teve, entre outras personalidades, o vice-prefeito e Secretário de Administração e Planejamento de Cabrália, Alexandre Carvalho, representando o prefeito Jorge Pontes; o Secretário Municipal de Esportes, Enildo Gama, representando a prefeita de Porto Seguro, Cláudia Oliveira; o representante da Secretaria Estadual para Assuntos da Copa (Secopa), Marco Costa; e o presidente da Câmara Municipal de Porto Seguro, Paulo Onishi.

 

A gestora do PS Convention Bureau, Patrícia Martins, que não participou do evento por motivos de saúde, foi várias vezes citada como “a grande heroína das principais conquistas da comissão”.

 

De acordo com alguns oradores, o principal legado da participação de Cabrália e de Porto Seguro na Copa 2014 é a exposição que estes municípios essencialmente turísticos estão tendo em todo o Brasil e no mundo, e especialmente na Alemanha e na Suíça.

Marco Costa disse que a situação de Cabrália e Porto Seguro é semelhante a de Cape Town, cidade do interior da África do Sul que teve significativo aumento em sua demanda turística depois da Copa do Mundo de 2010. Para salientar ainda mais a importância da mídia espontânea, Marco citou a constatação de que a exposição do Rio de Janeiro na mídia nacional e internacional por ocasião da Copa das Confederações de 2012 foi equivalente à divulgação da cidade nos 10 anos anteriores.

 

Os legados e benefícios para a população das cidades, como destacaram o vice-prefeito Alexandre Carvalho e o secretário do turismo de Cabrália, Fernando Oliveira, teriam mesmo que ser adquiridos de qualquer forma para a população, mas o motivo “Copa” acelerou o andamento dos pleitos dos municípios.

 

Entre outros benefícios advindos das demandas da FIFA para aprovação de Cabrália e de Porto Seguro como CTS e que ficarão para a população estão a aquisição de equipamentos, de tecnologias e de instalações como viaturas, aparelhos eletrônicos e metodologias que proporcionarão maior eficiência da Polícia Militar regional, equipamentos para o Hospital Regional de Porto Seguro, campanhas de vacinação, capacitação da Defesa Civil para atendimento a múltiplas vítimas, capacitação do funcionalismo em diversos níveis, incremento na velocidade de conexão com a Internet, como foi o caso da Oi, que em Cabrália ampliou a cobertura e passou a velocidade definitivamente para 10 Mbps , além de instalar rádio para maior velocidade temporária em Santo André. Merecem também ser destacadas a ampliação e a manutenção da rede elétrica de Cabrália, incluindo instalação de luminárias em Santo André, requalificação da BA 001, requalificação do Estádio Municipal de Porto Seguro que já aspira ter um time de futebol na primeira divisão estadual, coleta seletiva de lixo que entra definitivamente na pauta das duas cidades, limpeza das cidades, cultura de gestão compartilhada, instalação de terminais de autoatendimento pelo Banco do Brasil em Cabrália e Santo André, investimento de R$1,5 milhão pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) na recuperação da BR 367, embora a obra talvez não seja concluída antes da Copa, criação de um roteiro turístico para fortalecimento da economia e da cultura indígena, instalação de posto turístico do SAC em Porto Seguro e no terminal das balsas de Cabrália e treinamento ministrado por 4 dos maiores especialistas alemães para atendimento a desastre de avião.

ImagemImagemImagemImagemImagem

Mineiros querem agitar a Bahia com samba, pagode e axé.

Comunidade Batuque com logo

O axé que a Bahia exportou para todo o Brasil, volta com pitadas do samba e do pagode mineiro.

Depois de conquistar Belo Horizonte, todo o interior mineiro e o litoral do Espírito Santo com seu samba, pagode e axé, a banda Comunidade Batuque está flertando com a Bahia, onde quer agitar turistas e baianos.

A banda toca músicas próprias, sucessos consagrados do axé baiano e outras composições. Todas as músicas de seus 2 CDs estão disponibilizadas gratuitamente no link “Download” do www.comunidadebatuque.com.br.

De acordo com André Naufel, compositor e instrumentista, uma das gravações mais emocionantes é “É Sempre Assim” e as que mais agitam o público são “Vem que Vem” (faixa título do 2º CD), e versões de “Toda Boa”, “Rebolation” e “Bicicletinha”.

O poder de agitação da banda pode ser visto em vários vídeos no You Tube, como o show que está no link http://www.youtube.com/watch?v=_sGRjr0rlpc&feature=related. O som da gravação não está lá estas coisas, mas mostra que a galera não para com o pé no chão, como acontece em toda a série de shows que também não para.

Contatos de fãs ou para shows podem ser feitos pelos telefones e endereços contidos no www.comunidadebatuque.com.br. A barra de menus inclui área restrita para contratantes e completo material de produção.

Empreendedor procura sócio para indústria de chocolate (cupulate)

José Edson de Vasconcelos*

Proprietário de linda fazenda agroindustrial limítrofe de zona urbana de um dos mais lindos centros turísticos do Brasil e do mundo, procura sócio para implantação de fábrica de cupulate (chocolate de cupuaçu).

O empreendimento terá potencial para um rápido roteiro de turismo rural, podendo aproveitar o turismo como facilitador da distribuição do cupulate em polos emissores de turistas.

O cupulate, resistente a mais 2 graus de temperatura que o chocolate, de acordo com o Ministério da Agricultura (http://www.cpatu.embrapa.br/servicos/consultorias/cupulate) é um produto com sabor e textura similares ao chocolate de cacau, porém mais nutritivo e mais saudável que este, e pode também ser consumido em pó e em tabletes ao leite, meio amargo ou branco.

As amêndoas de cupuaçu (cacau grande, em tupi-guarani), ainda segundo o Ministério da Agricultura, têm como principais características o percentual de 33,44% a mais de proteínas em relação às amêndoas de cacau, são isentas de cafeína e de teobromina.

*José Edson de Vasconcelos, jornalista e administrador [(73) 9141-0092 ou joseedsondois@hotmail.com], elabora e acompanha projetos para obtenção de financiamento pelo Banco do Nordeste (BNB).

Costa 1500, Brasil!

Novo nome para a Costa do Descobrimento

 

Porto Seguro deve ajustar a rota da história.

Consulta sobre troca do nome “Costa do Descobrimento”

A PROPOSTA É que você dê o primeiro passo para ampla campanha nacional de esclarecimento, seguida de uma consulta nacional sobre a mudança do nome de “Costa do Descobrimento” para “Costa Brasil 1500” ou para outro nome que não desvalorize a cultura genuína de nossa terra.

Campanha assim foi feita para escolha do mascote dos jogos pan-americanos do Brasil, e o Cauê fez grande sucesso.

Nosso sucesso poderá ser ainda maior e permanente.

Diga se concorda ou não com esta proposta, repassando este texto para a lista a seguir, da Secretaria do Turismo da Bahia. Copie e cole no campo “Para” de seu programa de e-mail:

dleonelli@setur.ba.gov.br; billy.arquimimo@setur.ba.gov.br; clarissa@setur.ba.gov.br; acorreira@setur.ba.gov.br; dg@setur.ba.gov.br; da@setur.ba.gov.br; crh@setur.ba.gov.br; csg@setur.ba.gov.br; cmp@setur.ba.gov.br; do@setur.ba.gov.br;  jamorim@setur.ba.gov.br; df@setur.ba.gov.br; arezende@setur.ba.gov.br; sfortes@setur.ba.gov.br; cmo@setur.ba.gov.br;

A QUESTÃO É que o Brasil não pode continuar passivo diante da invasão cultural estadunidense.

O canal de “clips” é “M Ti Vi”, os canais de notícias são “News”, quase 100% dos filmes das estações de TV e da programação da maioria das rádios e salas de cinema é estadunidense ou inspirada naquele modelo; e por aí vai nossa cultura sendo atropelada pela dita superioridade tecnológica, pela produção massiva de baixo preço aquisitivo porque é vendida no mundo todo, e nosso dinheiro vai alimentando a cultura alheia, na maioria dos casos, da pior qualidade.

Tudo começou na primeira globalização, quando os portugueses tomaram posse do Brasil. Mas nestes governos de Lula e de Wagner, nossa história deve ser contada de forma a encher de orgulho os brasileiros, focando o meio ambiente, a ética e o respeito às diferenças, em substituição à piada infantil: “Quem descobriu o Brasil? – Foi Pedro Álvares Cabral! – Aperte aqui que sai mingau!”

Alheio às piadas, às causas e inconseqüências daquela primeira invasão cultural; em plena ditadura militar um burocrata reacionário inventou que os municípios de Porto Seguro, de Cabrália e de Belmonte deveriam ser chamados de “Costa do Descobrimento”, convalidando a reprodução da história exclusivamente da ótica dos invasores.

Nós podemos nos levantar, sacudir a poeira e dar a volta por cima, valorizando a cultura brasileira e de quebra fazendo uma bela campanha de marketing turístico para nossa região, aproveitando o gancho para uma campanha de conscientização.

Costa Brasil 1500 – Quem vem aqui entra na história.

JOSÉ EDSON DE VASCONCELOS

9141-0092 – joseedsondois@hotmail.com – Porto Seguro – BA, abril de 2009.

Resposta obtida da Ouvidoria Geral do Estado da Bahia, em 22/04/2010:

“Prezado José,

sua sugestão será levada ao Fórum Estadual de Turismo,
composto por diversos órgãos públicos estaduais e municipais,
além de representantes do trade turístico. Somente essa
instância pode determinar a troca de nome das zonas
turísticas.”

Foto do autor, numa cabana da Praia do Tororão, Prado-BA.

Ainda antes de poder dizer: "Ninguém é de ferro!"

Ainda antes de poder dizer: "Ninguém é de ferro!"